Google+ Followers

sexta-feira, 2 de março de 2018

POLÍTICA - Avaliação do Lula na pesquisa Vox Populi.

Vox: maioria quer Lula na disputa e vê sua condenação como ‘politica’

voxpris
56% das 2 mil pessoas entrevistadas pela Vox Populi em pesquisa encomendada pela Central Única dos Trabalhadores acham que “o processo e a condenação de Lula foram políticas, pois muita
gente não gosta dele”, enquanto 32% crêem que “foi um processo normal, sem se misturar com política”.
Quase o mesmo percentual, 54%, acham que o ex-presidente “deveria poder se candidatar a presidente na próxima eleição” contra 37% que pensam que ele deveria ser impedido de se candidatar.
Um pouco maiores ou menores que sejam, são números que deixam claro o impasse que será uma eleição presidencial da qual se retire Lula tendo como argumento uma condenação que metade da população ou mais vê como  motivada por razões políticas.
Algo que só se agravará com a eventual prisão do ex-presidente, que a fúria lava-jateira exige para ontem e que só vai aumentar esta percepção, mesmo escorada numa decisão do STF que modificou – com endereço certo – a jurisprudência de mais de um século.
Metade do Brasil acha que Lula não deveria ser preso e que deve ser julgado nas urnas. Um terço acha que deve e que deve, também, ser impedido de participar do pleito.
Dá para ver, por estes indicadores, que as opiniões pouco o nada têm a ver com o que se poderia, formalmente, se dizer Justiça. Entre os que querem vê-lo candidato estão os que o apoiam e os ainda acreditam nas formas democráticas de decisão política, enquanto os que o querem fora da eleição desejam que triunfe o lado sem voto, extirpando-se a fórceps da disputa aquele que os tem.
É uma equação que não fecha mas que, ao contrário, abre uma ferida que vai sangrar e infeccionar qualquer governo que saia das urnas de outubro, de deles se amputar um candidato favorito.
E com um Judiciário que não quer pacificar conflitos, mas estimulá-los e ter, com isso, cada  vez mais poder, não pode acabar bem.
PS: a pesquisa da Vox está na íntegra aqui.

Nenhum comentário: