Google+ Followers

domingo, 19 de fevereiro de 2017

PETROBRAS - A contrução da ignorância sobre a Petrobras.

A
CONSTRUÇÃO DA IGNORÂ
NCIA SOBRE A
P
ETROBRAS
 
Felipe Coutinho*

Quem
pensa
que a Petrobras está quebrada, que a produção do pré
-
sal
é lenta, que o pré
-
sal
é um mico e
não tem valor ou que a exportação de petróleo
por multinacionais pode
desenvolver o Brasil
,
está sendo enganado. É
vítima da
ignorância
promovida
pelos
empresários
d
a
comunicação
, políticos e executivos
à serviço d
as multinacionais do petróleo e dos bancos
.
A ignorância d
e
muitos
brasileiros em relação aos principais temas que
determinam a sua vida, e condicionam o seu futuro, é resultado de uma
construção social.
Os interesses dos banqueiros,
d
o
s
controladores
das
multinacionais do petróleo e
dos rentistas são promovidos, em detr
imento da
maioria que vive do trabalho, estuda ou depende da
seguridade
social.
A maioria não sabe que quase a metade do orçamento público se destina
a pagar os juros e a amortização da dívida pública. Desconhece as ilegalidades
e ilegitimidades
na formaçã
o
d
essa
dívida que, se auditada, poderia ser
reduzida
. Ignoram
a estrutura regressiva dos impostos na qual os que vivem do
salário e recebem menos pagam mais. Não sabem que a previdência social é
superavitária
considerando os impostos que são desvinculados da seguridade
para o pagamento dos juros da dívida. Também
des
conhecem o prejuízo
operacional do Banco Central.
Aqui
trato
das falácias
mais
repetidas a respeito
da Petrobras.
[1]
[2]
[3]
[4]
O sucesso na descoberta e desenvolvimento do pré
-
sal
A província do pré
-
sal
é
a maior descoberta das últimas décadas
e está
entre as maiores da história
,
mas a
s reservas ainda não foram dimensionadas
com maior grau de confiança.
São estimad
a
s
reservas
de
30 a
100 bilhões de
barris de petróleo equivalente, ma
s este volume pode ser superado em função
da natureza geológica
, do desenvolvimento tecnológico
e das condições
macro
econômicas.
[5]
[6]
A Petrobras investiu centenas de milhões de dólares e teve sucesso ao
comprovar a existência do pré
-
sal, de acordo com o modelo geológico
desenvolvido pelo cor
po técnico da companhia. A descoberta pioneira se deu no
campo de Lula (anteriormente denominado Tupi)
, com reservas recuperáveis de
8,3 bilhões de barris de petróleo equivalente
.
[6]
A companhia anglo holandesa Shell era operadora do campo de Libra
quando o devolveu à
Agência Nacional de Petróleo e Biocombustíveis (
ANP
)
declarando que não era comercialmente viável.
Mais tarde, c
omprovado o
modelo geológico do pré
-
sal e atuando como operadora, a
Petrobras
alcançou o
pré
-
sal em Libra. Confirm
ou
a maior descoberta entre os campos do pré
-
sal com
reservas recuperáveis entre
8 e 12 bilhões de barris de petróleo equivalente.
[7]
A produção do pré
-
sal tem sido acelerada
em tempo recorde
na
comparação com
o desenvolvimento de
outras províncias
em
águas profundas
,
como o Golfo do México, Mar do Norte ou Bacia de Campos.
Já foi produzido
mais de
1 bilhão de barris e o pré
-
sal representa hoje quase 50% da produção
diária
nacional.
[8]
A sina colonial ainda nos assola
Desde o Brasil Colônia até a República a economia brasileira se dedica
ao suprimento de matérias primas para os centros
imperiais
. Pau brasil, cana de
açúcar, minérios (ouro, prata e
diamantes), cacau, borracha, dendê, café. Hoje,
ainda os minérios, a soja, a carne etc. Todos os ciclos têm características
comuns, beneficiam uma pequena elite, passam por períodos de ascensão,
ápice e queda. Deixam o rastro de devastação ambiental e soci
al
,
com a maior
parte da população excluída dos ganhos nos períodos prósperos
,
mas
herdeira
do caos do período decadente.
Privatização dos lucros e socialização dos
prejuízos.
Devemos usar a riqueza do petróleo brasileiro na medida do nosso
desenvolvimento
, para atendimento às nossas necessidades. Desenvolver uma
indústria forte e diversificada com participação e controle social. Construir a
infraestrutura para produção de energias renováveis e preparar nossa sociedade
para o futuro.
Nenhum país se desenvol
veu exportando petróleo por meio de
multinacionais estrangeiras.
Nenhum país, continental e populoso como o Brasil,
se desenvolveu exportando petróleo.
Existe correlação entre o desenvolvimento
humano (IDH) e o consumo de energia primária per capta.
[9]
Os erros do passado não justificam os erros do presente
Entre 2003 e 2014 a
Petrobras assumiu riscos com a elevada exposição
ao preço do dólar e a política monetária do
Banco Central dos EUA, o
Federal
Reserve
(
FED
)
. Assumiu riscos em relação ao
câmbio,
preço do
petróleo,
ao
alto
nível de
investimento para exportação
e à
dívida e
m moeda estrangeira. A
desvalorização do Real e do Petróleo não são eventos independentes, são
consequências da valorização do dólar, resultado do fim dos ciclos de liquidez
monetária do
FED
(
Q
uantitative
E
asing, QE
).
[9]
O gráfico 1 apresenta a forte correlação entre os preços do petróleo e do
R
eal
em relação ao dólar.
Gráfico 1
[10]
O gráfico 2 revela que
de 2009
a 2014
, com os ciclos de liquidez
monetária,
através d
a compra e acúmulo de títulos públicos e hipotecários pelo
FED
,
a moeda norte americana se desvaloriza. Com o fim dos
cicl
os
de injeção
monetária
,
em agosto de 2014, a moeda norte americana se valoriza com
severo
impacto na desvalorização do real e do petróleo.
[9]
[10]
Gráfico 2
[10]
O pla
no estratégico
de
2011
,
por exemplo
,
dependia da elevação do
endividamento em dólares e
contavam com a
projeção de receita futura com
a
venda
em reais no mercado interno e
a
exportação de
petróleo valorizado
.
Condições
dependente
s
da desvalorização do dólar
e, portanto,
vulneráve
is
a
sua
apreciação
.
[11]
O
correto, e mais prudente,
seria projetar o crescime
nto da produção de
petróleo na medida da demanda interna, agregar valor com a produção de
derivados, petroquímicos, fertilizantes etc.
Além de s
ubstituir importações para
reduzir a necessidade de dólares.
Segundo Domingues
:
[27]
"Na análise da aplicação do teste na indústria petrolífera, ficou evidente o risco existente
na atividade de E&P, o que atribui a seus ativos uma incerteza na realização dos fluxos de caixa
futuros. E, por fim, na an
álise de como as variáveis selecionadas se relacionam e,
consequentemente, influenciam as Despesas de Impairment de E&P, observou
-
se,
principalmente, a relação inversa dessa variável com os valores das Descobertas. Esses
resultados dão indícios de que a va
riável "Descoberta" deve ser premissa levada em
consideração no cálculo do valor de recuperação de um ativo de E&P".
Segundo Lima
:
[28]
"Ressalte
-
se, contudo, que os ativos referentes ao Pré
-
Sal não estão devidamente
valorados no ativo contábil da Petrobras. Ativos da área de Abastecimento, como algumas
refinarias já amortizadas, também não estão devidamente precificados. Os elevados volum
es
recuperáveis de petróleo do Pré
-
Sal, que, atualmente, são o grande “ativo” da Petrobras, ainda
estão no reservatório e não podem ser contabilmente registrados no ativo da empresa. O petróleo
somente passa a ser propriedade da Petrobras depois de extraíd
o. Com as
importantes
descobertas
no Pré
-
Sal, as reservas da Petrobras devem ultrapassar 40 bilhões de barris. Vale
registrar, ainda, que outras áreas deverão aumentar significativamente as reservas da empresa.
Nenhuma empresa de petróleo triplica suas res
ervas e aumenta sua produção sem grandes
investimentos e, consequentemente, sem aumento, no curto prazo, do seu endividamento e da
sua alavancagem."
A relação contraditória entre a Petrobras e as consultoras
"independentes" desde as revelações da Lava Jato
, a polêmica aplicação do
teste de
impairment
para indiretamente estimar o sobre
preço nos ativos, a
estimativa extrapolada das propinas registradas, redundantemente, como
prejuízo no balanço de 2014, a desconsideração das descobertas do pré
-
sal no
cálculo
do valor de recuperação dos ativos do E&P e o indisfarçável interesse
em depreciar os ativos e a situação financeira da Petrobras para justificar perante
a opinião pública a venda açodada de seus ativos nos permite questionar o
interesse dos agentes envol
vidos.
O valor do petróleo e o fim do petróleo barato de se produzir
O petróleo é uma mercadoria especial, na medida em que não tem
substitutos em equivalente qualidade e quantidade. Sua elevada densidade
energética e a riqueza de sua composição, em
orgânicos dificilmente
encontrados na natureza, conferem vantagem econômica e militar àqueles que
o possuem
.
[17]
A
sociedade que conhecemos, sua complexidade, sua organização
espacial concentrada, sua produtividade industrial e agrícola, o tamanho da
superestrutura financeira em relação as esferas industrial e comercial, foi erguida
e depende do petróleo.
O fim do petr
óleo barato de se produzir e a redução do excedente
energético e econômico da indústria petroleira está transformando,
aceleradamente, a sociedade.
É necessário garantir a propriedade do petróleo e ficar com seu valor de
uso. Atender as necessidades dos br
asileiros e erguer a infraestrutura dos
renováveis para uma nova organização
produtiva e
social
.
Quem desdenha quer vender?
O conhecido dit
ado
popular
afirma
que “quem desdenha quer comprar”. É
estranho observar a postura dos dirigentes da Petrobras cuja
prioridade é a
venda de ativos, mas em declarações públicas os depreciam.
Quando afirmam
que o pré
-
sal foi indevidamente endeusado, que as unidades petroquímicas são
antieconômicas ou que a Petrobras é geneticamente incapaz de atuar em
biocombustíveis.
Nes
te caso
,
será que
quem desdenha quer vender?
[23]
Produzir fertilizantes e biocombustíveis é bom para a Bunge, mas para a
Petrobras é ruim? Ou estaria a Petrobras competindo pelo mercado pretendido
pela Bunge?
[22]
E
xiste uma porta giratória pela qual transitam os executivos entre as
empresas e bancos privados e os cargos de direção na administração pública
direta e indireta. Será que quando atravessam a porta e assumem a direção de
uma estatal eles se desvi
nculam dos interesses privados? Será que quando
voltam
à
iniciativa privada não são melhor recebidos em função dos resultados
obtidos na gestão da estatal em be
nefício dos interesses privados? Parece que
a verdade está no dito popular e quem desdenha quer
mesmo é comprar.
* Presidente da Associação de Engenheiros da Petrobrás (AEPET)
http://www.aepet.org.br/
https://felipecoutinho21.wordpress.com/
Referências
[1]
http://www.cartacapital.com.br/economia/201ca
-
divida
-
publica
-
e
-
um
-
mega
-
esquema
-
de
-
corrupcao
-
institu
cionalizado201d
-
9552.html
[2]
http://jornalggn.com.br/blog/jose
-
carlos
-
lima
-
spin/a
-
corrupcao
-
e
-
o
-
sistema
-
da
-
divida
-
2015
-
por
-
maria
-
lucia
-
fattorelli
[3]
http://www.auditoriacidada.org.br/
blog/2017/01/30/mascara
-
do
-
deficit
-
da
-
previdencia/
[4]
http://jornalggn.com.br/noticia/o
-
prejuizo
-
do
-
banco
-
central
-
por
-
andre
-
araujo
[5]
http://commodityhq.com/education/5
-
of
-
the
-
biggest
-
oil
-
finds
-
in
-
history/
[6]
SAUER, I. L.
; RODRIGUES L. A.
Pré
-
sal e Petrobras além dos discursos e mitos:
disputas, riscos e desafios
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103
-
40142016000300185
[7]
http://economia.uol.com.br/noticias/reuters/2013/10/21/petrobras
-
e
-
shell
-
pagam
-
r
-
9
-
bi
-
para
-
terem
-
libra
-
de
-
volta.htm
[8]
http://www.valor.com.br/empresas/4806545/petrobras
-
atinge
-
marca
-
historica
-
de
-
producao
-
no
-
pre
-
sal
[9] Palestra “Propostas da Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET)”, Felipe
Coutinho, 2016
https://felipecoutinho21.wordpress.com/2016/11/19/palestra
-
propostas
-
da
-
associacao
-
dos
-
engenheiros
-
da
-
petrobras
-
aepet/
[10]
https://fred.stlouisfed.org/
[11]
http://az545403.vo.msecnd.net/uploads/2013/07/Plano
-
Estratégico
-
Petrobras
-
2020
-
Plano
-
de
-
Negocios
-
2011
-
2015.pdf
[12] O Histórico Cerco à Petrobras e a Corrupção, Felipe Coutinho, 2015
https://felipecoutinho21.wordpress.com/2015/01/23/o
-
historico
-
cerco
-
a
-
petrobras
-
e
-
a
-
corrupcao/
[13] Receita para Defender a Petrobras Contra a Corrupção, Felipe Coutinho, 2015
https://felipecoutinho21.wordpress.com/2015/02/08/receita
-
para
-
defender
-
a
-
petrobras
-
contra
-
a
-
corrupcao/
[14] Propostas para o Fortalecimento Institucional e Defesa da Petrobras C
ontra a
Corrupção, Felipe Coutinho, 2015
https://felipecoutinho21.wordpress.com/2015/03/19/propostas
-
p
ara
-
o
-
fortalecimento
-
institucional
-
e
-
defesa
-
da
-
petrobras
-
contra
-
a
-
corrupcao/

Nenhum comentário: