Google+ Followers

quarta-feira, 3 de maio de 2017

POLÍTICA - As vingâncinhas do Dr. Moro.

Contrariado, Moro solta Dirceu e impõe vingancinhas



Um dia após decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), o juiz Sergio Moro decidiu nesta quarta-feira (3) que José Dirceu use tornozeleira eletrônica e não saia da cidade de seu domicílio, Vinhedo (SP).
Ontem, a Segunda Turma do Supremo decidiu, por 3 votos a 2, que Dirceu deveria deixar a prisão.
No despacho, Moro diz que, “considerando que José Dirceu já está condenado a penas totais de cerca de trinta e dois anos e um mês de reclusão, há um natural receio de que, colocado em liberdade, venha a furtar-se da aplicação da lei penal”.
Não se sabe de onde Moro tirou isso. Desde que foi preso pela primeira vez, em 2013, Dirceu jamais praticou um único ato que sugerisse que poderia dificultar a aplicação da lei.
Moro diz isso com a única e exclusiva intenção de justificar a manutenção de Dirceu na prisão por quase dois anos sem condenação definitiva e sem uma mísera prova de obstrução da Justiça
Sob essas  alegações, assim , o juiz diz que, “a prudência recomenda então a sua submissão à vigilância eletrônica e que tenha seus deslocamentos controlados”.
Confira as condições impostas por Moro:
monitoramento por tornozeleira eletrônica
proibição de deixar a cidade de seu domicílio, em princípio, Vinhedo (SP)
proibição de se comunicar, por qualquer meio ou por interpostas pessoas, com os coacusados ou testemunhas
comparecimento a todos os atos do processo e atendimento às intimações, por telefone, salvo se dispensado pelo Juízo
proibição de deixar o país
entrega em Juízo de seus passaportes brasileiros e estrangeiros
É assim, de mesquinhez em mesquinhez, de vingancinhas em vingancinhas, que essas pessoas que se convenceram da existência real de uma “República de  Curitiba” impõem leis nunca aprovadas e desafiam até a instância máxima da Justiça.
Que o STF  ponha um paradeiro na escalada arbitrária e alucinada desses “republicanos de curitiba” antes que afundem o Brasil em uma guerra civil e na maior depressão econômica da história.

Nenhum comentário: