Google+ Followers

terça-feira, 2 de maio de 2017

POLÍTICA - A campanha de Lula não é anti, é pró.

O roteiro de Lula nada tem a ver com o Datafolha

roteiro
Com ares de novidade, o Painel da Folha diz que “dois dados da última pesquisa Datafolha vão nortear a estratégia do PT para projetar a candidatura de Lula à Presidência: a alta insatisfação com o governo Michel Temer e o índice de 85% de apoio à convocação de eleições diretas”.
Francamente, o que há de novo nisto para que não seja algo além do óbvio.
Temer tem um rejeição estratosférica desde que chegou ao governo.
A maioria dos brasileiros, desde então, querem eleições diretas, no Datafolha fez questão de omitir quando escondeu os 62% que queriam novas eleições presidenciais,
Só mais adiante a nota sobre os “estrategistas” toca no essencial.
O fato de que o fundamento da campanha – e do favoritismo – de Lula é a referência de estabilidade e prosperidade que ele representa.
Só um tolo não vê que a campanha de Lula não será o “anti”.
“Anti”, e “anti-Lula”,  é o que a direita pretende usar, seja com Bolsonaro, Dória e o Aécio “Descanse em Paz” Neves.
Campanhas negativas, para que quem acompanha eleições há 40 anos, são, na maioria das vezes, fadadas à derrota.
A campanha de Lula não é anti, é pró.
É ele quem tem a capacidade de buscar na memória o tempo que  foi positivo aos brasileiros.
Quem, por egoísmo analítico, prevê uma campanha de radicalismo exacerbado  de Lula, se engana.
Até porque esta não é a praia de Lula.
Claro que Lula terá contra si os 30, 35% da direita hidrófoba. Nunca deixou de tê-los e terá de novo.
Aí talvez esteja a diferença essencial entre o “Lula 1” e “2”  em relação ao “Lula 3”.
Menos ilusões, mas não menos pragmatismo.

Nenhum comentário: